• O que é?

    A operação de aluguel de ações, conhecida também como BTC, consiste em um empréstimo de ações, por prazo determinado, mediante a cobrança de uma taxa de juros. Tudo acordado entre as partes envolvidas.

    Em geral, quem cede as ações, os doadores, são investidores de longo prazo, que não têm interesse em se desfazer das ações. Na outra ponta, atuam os tomadores, que são investidores que demandam o ativo temporariamente para viabilizar uma determinada estratégia, como uma venda a descoberto.

    O tomador é livre para vender esses ativos ou utilizá-los para outras finalidades, mas fica obrigado a devolvê-los pagando ao doador quaisquer dividendos ou direitos declarados durante o curso do empréstimo, nos termos definidos entre as partes. A Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), ligada à BM&FBovespa, atua como contraparte garantidora da operação.

  • Exemplo de BTC

    Momento 1
    • Pedro possui 1.000 ações de PETR4 e pretende alugar suas ações.
    • Carlos pretende vender 1.000 ações de PETR4 a descoberto e precisa tomar as ações emprestado.

    Momento 2

    • Pedro (doador) aluga 1.000 PETR4 para Carlos (tomador), ficando acordado que o aluguel terá prazo de 1 mês e taxa de 12% ao ano.
    • Pedro repassa suas ações para Carlos.
    • Carlos realiza a venda a descoberto.

    Momento 3
    • Ao final de 1 mês, Carlos recompra 1.000 ações de PETR4 no mercado.
    • Em seguida, Carlos devolve as ações para Pedro e paga os juros proporcionais ao período de 1 mês, liquidando a operação de aluguel.

  • Por que investir?

    Além de tornar os mercados mais líquidos e eficientes, beneficiando investidores com estratégias de curto e longo prazo, o aluguel de ações beneficia diretamente pessoas físicas e jurídicas, inclusive instituições financeiras.

    Doador (investidor que aluga ações de sua propriedade)

    Remuneração acertada no início do contrato.

    Possibilidade de aumentar a rentabilidade da sua carteira sem se desfazer das ações.

    Continuar recebendo proventos durante o período do aluguel.

    Tomador (investidor que aluga as ações de outro investidor para vendê-las no mercado)

    Atender à sua necessidade temporária de ter ativos para suas estratégias de investimento.

    Viabilizar a realização de operações diante da expectativa de queda nos preços dos ativos.

    Assumir posição vendida em operações estruturadas.

  • Como investir?

    O acesso para o aluguel de ações é feito eletronicamente e para efetivar a operação o tomador do aluguel se compromete a pagar ao doador do ativo uma taxa livremente pactuada entre as partes, acrescido do emolumento cobrado pela BM&FBovespa. No final do prazo acordado, o tomador deve devolver os ativos alugados ao proprietário.

    A Spinelli, por meio do sistema eletrônico do Banco de Títulos (BTC), disponível no portal CBLCNet, onde estão disponíveis as ofertas de tomadores e doadores de títulos, fará o registro da oferta e da operação.

    Caso o cliente deseje alugar títulos, assumindo a posição de tomador, deverá depositar margem de garantia na CBLC, por meio ad Spinelli. O valor da margem será igual ao valor atualizado dos títulos, acrescido de percentual definido pelo BTC. Esse percentual é fixado considerando-se a liquidez e a volatilidade dos títulos-objeto do empréstimo. O valor das margens é acompanhado diariamente e recomposto, se necessário, na forma e nos prazos estabelecidos pela CBLC.

    Os títulos somente são liberados após o tomador depositar as garantias necessárias na CBLC e o BTC autorizar a operação. Ações e títulos públicos poderão ser depositados em garantia, dentre outros ativos. As taxas e os custos são debitados do tomador e creditados ao doador no primeiro dia útil seguinte ao de encerramento da operação de empréstimo.

    Caso sua posição seja a de doador, basta ter os ativos liquidados em custódia e solicitar, por intermédio da Spinelli, o registro da oferta de aluguel.

    Atenção! Para realizar operações de aluguel de ações, é necessário aderir ao contrato de BTC (“Aluguel de Ações”) no ato da abertura de sua conta. Para estruturar e realizar operações nesse mercado, entre em contato com os nossos consultores.

  • Custos

    Doador (investidor que aluga ações de sua propriedade)
    20% sobre a taxa final do aluguel.

    Tomador (investidor que aluga as ações de outro investidor para vendê-las no mercado)

    Taxa de intermediação – Spinelli
    0,5% sobre o valor financeiro do aluguel, com valor mínimo de R$ 11,90.

    Taxa de Liquidação – BM&FBovespa
    0,25% a.a. sobre o valor financeiro do aluguel, com valor mínimo de R$ 10,00.

    Remuneração ao Doador
    Taxa pactuada, descrita no contrato, de acordo com cada ativo e as condições do mercado.

  • Riscos

    O tomador incorre em risco de mercado. Dado que as ações alugadas provavelmente são vendidas, é possível que o tomador sofra perdas significativas caso o preço dessas ações suba muito até o momento da recompra.

    Por essa razão, a BM&FBovespa solicitará o depósito de garantias, que limitarão eventuais prejuízos aos envolvidos.

    No caso do doador, o risco é minimizado, justamente pelo fato de a Bolsa exigir as garantias do tomador. Além disso, em caso de atraso na devolução dos ativos, existe a aplicação de multa diária e a obrigação do tomador remunerar o doador, em valor equivalente ao dobro da taxa originalmente acordada.

    Perfil de investidor: Moderado para doador / Arrojado para tomador.